Litoral Sul da Bahia - Parte 1 - Costa do Descobrimento

Zona turística da Costa do Descobrimento, no sul do Estado da Bahia, compreende os municípios de Porto SeguroSanta Cruz Cabrália e Belmonte. Estende-se entre a Costa das Baleias e a Costa do Cacau. (Fonte: Wikipédia)



DIA 1: PORTO SEGURO A TRANCOSO

Bom, finalmente chegou o dia...Bahia aí vamos nós...a nossa querida Maysa foi a primeira a embarcar e teve uma noite maravilhosa no banquinho do aeroporto de Porto Seguro...ela chegou na madrugada de sábado 05-04 e logo em seguida eu.. cheguei no sábado por volta das 14h em Porto Seguro e depois o Marcus e por último a Andréa e o Thiga. 

Dica transporte das bikes pelas empresas aéreas:> bom, os pessoal viajou de TAM e não teve problema nenhum em levar a bike montada, sim montadinha, sem nem ter que esvaziar pneu nem nada. Dizem que esta é a melhor firma de levar a bike no avião, porque eles vão tratá-la como uma bicicleta e não como uma mala, ou seja, não vão ficar jogando a pobrezinha de um lado pro outro.Mas, eu, que fui de Gol tive que embalar a minha, mas usei a técnica da caixa de papelão (que já expliquei em outro post...no fim todas chegaram direitinho! Olha aí a bike do Marcus como ficou...rss...aposto que você nunca pensou em usar esses "espaguetes" pra embalar a bike! rss


Flagra da bike do Marcus com o pessoal da TAM

Enquanto esperávamos a Andréa e o Thiga aproveitamos pra dar uma voltinha por Porto Seguro e eu, paguei língua (porque pensava que a cidade se resumia ao famoso corredor do álcool), achei o lugar bem charmoso, principalmente a parte histórica, de onde se tem uma visão linda das praias... neste momento já deu pra sentir tudo que nos esperava nos próximos dias.










Voltamos pro aeroporto pra encontrar o resto da trupe. Turma reunida era hora de partir, saímos de Porto Seguro rumo a Trancoso já no fim da tarde, fomos em direção à balsa para fazer a travessia de Porto Seguro para Arraial d'Ajuda... A travessia é bem rápida e tem balsas a cada 30 minutos. Já em Arraial aproveitamos pra comer, afinal ninguém tinha almoçado até então e só depois seguimos rumo a Trancoso.





Em arraial encontramos uns ciclistas e aproveitamos pra perguntar sobre a estrada até Trancoso, eles disseram que era uma estrada de terra, mas em bom estado, apesar das chuvas que aconteceram nos últimos dias.

Todo mundo devidamente comido lá fomos nos, já início de noite, com luzes acessas rumo a Trancoso. A ida, foi tranquila, pegamos também um pouco de chuva no caminho, mas chuvinha boa pra refrescar. 

É muito estranho passar a noite por uma estrada desconhecida, dá uma certa ansiedade, mas posso dizer que medo não senti em nenhum momento, acho que em função da confiança que já tinha nos companheiros de viagem.

A noite estava simplesmente maravilhosa...o céu estrelado e a lua (crescente) parecendo de desenho de papel de carta (nossa essa foi do fundo do baú...rss..)pena que não tenho foto! Os sapos numa cantoria como nunca ouvi antes...rolou a estréia do radinho do Thiga,  rolou cantoria das meninas, rolou pneu furado (o primeiro e único da viagem), rolou corrente agarrada no cassete (a primeira de várias durante a viagem né Marcus? ) rolou um pouco de tudo...

Bom, os 26 km percorridos renderam viu...demoramos um pouquinho pra chegar, mas no fim tudo deu certo. Primeiro teste concluído e finalmente chegamos a Trancoso.


Resumo do dia:

Distância percorrida: 26km (obs. inclui a parte da travessia da balsa).
Distância acumulada: 26km
Hospedagem em Trancoso: Pousada Bom Astral. Diárias R$ 50,00 por pessoa em quarto duplo.



DIA 02: TRANCOSO

Eu sabia desde o início que ia amar Trancoso e isso realmente aconteceu...foi amor a primeira vista...aquela igrejinha, que até então eu só tinha visto em fotos...o famoso quadrado...as praias lindas...não tem como não amar este lugar...





Aqui ficamos numa pousada bem legal, a pousada Bom Astral , ela é simples, mas que nos recebeu super bem, fica bem alí no quadrado. Fizemos a reserva antecipada pra não ter o desgaste de chegar na cidade (já que íamos chegar tarde) e procurar lugar.... teve lugar pra guardar as bicicletas e pra lavá-las...tudo sem estress...O café da manhã bem gostoso... 

No nosso dia livre em Trancoso aproveitamos para conhecer as praias (lindas lindas)...fomos de bicicleta, demos uma voltinha boa...e já deu pra sentir, sem o peso dos alfoges, que em alguns momentos é bem complicado pedalar na areia...ia ser bem divertido isso...







Neste dia encontramos o melhor queijo coalho da viagem inteira (mesmo porque depois deste dia só fomos conseguir outro queijinho em Morro de São Paulo...já no fim da viagem, pra tristeza dos mineiros de plantão)...acabamos com o estoque de queijo coalho... O vendedor, super querido, ainda nos fez um precinho especial!!! Acho que ele nunca vendeu tanto queijo numa tacada só...


Finalizamos o dia comprando deliciosas laranjas perto de um mangue já na volta para o vilarejo, mal sabíamos que de brinde vinha todo estoque de murissocas de Trancoso...não teve um que escapou, nunca levei tanta picada de uma vez só!!!

A noite demos uma voltinha no vilarejo, como é bom demais viajar fora de temporada...poder andar sem que os lugares estejam lotados é ótimo. A lua continuava linda linda e era apenas o começo, porque as noites com belas luas seriam apenas um dos nossos lindos presentes desta viagem!


Mais umas fotinhas desse lugar lindo!!!
















DIA 03: TRANCOSO A SANTA CRUZ DE CABRÁLIA

Dia seguinte, café tomado, marcamos de sair as 09:30, pois a maré estaria boa para o pedal a partir de 12:40.

Dica importantíssima: se pretende fazer um pedal pela praia pesquise bastante o terreno antes de ir, pelo Google earth da pra se ter uma boa ideia do caminho, se tem rios pra atravessar, partes rochosas, etc... claro que na hora do vamos ver a coisa é bem diferente (a gente sentiu na pele isso).
Outra coisa muito importante é consultar a tábua das marés,  pra saber bem a hora certa de pedalar. O Marcus,  vulgo Netuno, era o senhor das marés e ficou expert nisso.  Consultou o site da marinha e pra cada dia a gente tinha o horário ideal do pedal. Gente isso funciona muito...Além da tábua a lua exerce grande influência também nas marés... essa natureza é muito perfeita!!! Nos dias de lua cheia a maré fica mais baixa ainda... 
No caso a gente calculou assim: cada janela de maré tem 6 horas, do horário que constava a maré mais alta a gente contava 3 horas a mais, essa era a hora ideal de iniciar o pedal (nessa hora a maré estaria baixando)e a partir daí teríamos mais 6 horas com a maré boa, no fim dessas 6 horas ela já estaria começando a subir de novo. Neste dia o horário da maré alta era 9:40, então horário bom de iniciar o pedal 12:40, horário da maré mais baixa do dia 15:40, a partir daí teríamos mais 3 horas até ela subir de novo. Na prática mesmo dá um pouco menos de 6 horas de pedal, e uma coisa é certa, siga a risca isso, é impossível pedalar pela praia com a maré alta!!!

Seguimos de volta em direção a Porto Seguro, no início fomos pela estrada e só depois pela praia ...nos deparamos com um lugar paradisíaco, lindo mas lindo mesmo, e começamos a pedalar...a areia ainda não estava muito boa, mas deva pra pedalar...logo a frente uma surpresa... algumas rochas que impossibilitavam a travessia. Os meninos foram verificar e dava pra passar (carregando as bikes)  e então começa a novela...tira alforge, carrega bike, carrega alforge...pronto...travessia concluída. Essa era nível médio...rss...





Continuamos a pedalar, praia linda, todo mundo feliz da vida e de repente, outro paredão para transpor, mas esse era nível muito difícil!!! Novamente os meninos foram fazer o reconhecimento, a gente não tinha saída, era passar ou passar...só que desta vez o esquema era bruto...tirar tudo da bike e o Marcus e o Thiga juntos foram levando bike a bike...caraca, os meninos suaram...e nós meninas, fomos levando os alforjes...trabalho duro de equipe...O Marcus este dia teve um pequeno acidente, caiu bem quando estava fazendo a travessia da Branquinha. Ele foi passar a bike pro Thiga e se desequilibrou e caiu no meio das rochas, ainda bem que foram só uns ralados que não o impediram de seguir viagem...a Branquinha não teve nada:) !

Continuamos seguindo e finalmente a maré tava mais baixa, saímos bem antes do horário da maré baixa e por isso passamos por uns perrengues. As praias sempre lindas (não vou me cansar de falar isso), chegamos à Arraial e fomos esperar a próxima balsa, mas antes disso fomos comprar um picolé delicioso de uma sorveteria que tem bem ao lado da balsa. Há este foi com o dinheiro do CU..rss... (fica a dica).

Seguraaa


Dica do CU: calma gente, não se assustem, o CU nada mais é que o cCAIXA ÚNICO da viagem. Como seria uma viagem em grupo resolvemos cada um dar um valor, nesta viagem estipulamos R$ 100,00 pra cada pra formar o CU. Elegemos o responsável pelo CU, neste caso a Maysa (não é tarefa fácil) e aí usamos esse dinheiro pras pagar as despesas comuns, como: queijo coalho, travessias de barco, compra de água, picolé, detergente pra limpar as correntes, etc...esse valor foi a conta, deu pra chegar até Morro de São Paulo. E na verdade é realmente muito prático esse caixa, porque pra pagar coisas de pequeno valor facilita bem o troco. Mas as vezes era um pouco constrangedor, alguém soltava uma "Hei, libera o CU"..rss... quem não sabe da história acha estranho, mas a gente deu altas risadas com essas situações!

Em Porto Seguro ficamos um lanche e seguimos. Depois de Porto Seguro fomos um pouco pela praia e depois, como a maré estava subindo fomos pelo asfalto. A estrada era bem tranquila, muitas das vezes margeando a praia. A noite foi caindo, faróis ligados. Pedalar a noite não é nunca o ideal, mas a gente não tinha outra saída. Já passando de Coroa Vermelha o  Thiga foi na frente a procura de pousadas. 


 Ops...maré subindo!


Fim de um lindo dia!
Esse dia foi engraçado, chegando a Santa Cruz de Cabrália ele foi em uma pousada e a senhora disse que não havia vagas. Então ele foi em busca de outra. Quando chegamos não tínhamos gostado muito dessa pousada que ele tinha encontrado, mas Cabrália não tem muitas opções de hospedagem, bom, mesmo assim eu e as meninas fomos em busca de outro lugar, primeiro fomos a um hotel (super caro) fora do nosso orçamento e em seguida numa pousada perguntamos se havia vaga, a senhora disse que sim. Não sabíamos, mas essa era a pousada que o Thiga havia perguntado antes e que ela havia dito que não havia vagas. 

Tadinho do Thiga, a gente acha que a senhora se assustou um pouco com o modelito dele (acho que ela pensou que ele era terrorista, só por causa da barba e do turbante - isso ele mesmo disse, rsss)...ela tentou se desculpar dizendo que tinha falado que não havia vagas porque ele estava só, mas a gente acha que não era exatamente isso. A pousada não era assim lá grandes coisas, mas não tínhamos escolhas. 

O dia foi cansativo mas valeu demais. Primeiro dia de pedal mais longo mas tudo transcorreu super bem na medida do possível.


Resumo do dia:


Distância percorrida: 42km
Distância acumulada:68km
Hospedagem em Santa Cruz de Cabrália: Pousada Arakakai R$ 40,00 por pessoa




DIA 04: SANTA CRUZ DE CABRÁLIA A CANAVIEIRAS

Acordamos, tomamos o nosso café e fomos dar um trato nas bikes antes de sair. Nossa essa é outra dica importantíssima. No dia anterior havíamos chegado tarde e não fizemos a limpeza das bikes. Bom, bikes limpas, café tomado, coisas organizadas, fomos nós... Mais um dia de pedal, assim como nos outros, o dia estava maravilhoso!

Dica limpeza das bikes: viajar pela praia de bicicleta não e fácil. Os danos causados pela maresia a sua bike são inevitáveis, mas podem ser minimizados. Lembre-se de todos os dias limpar bem a corrente da bicicleta. Isso é muito importante e vai evitar que a corrente fique enferrujada. É importante limpar bem o cassete e a coroa também. Descobri que adicionar o suco de um limão em detergente comum, desses de cozinha, ajuda um monte a tirar o óleo e sujeira (sempre vou usar isso). Tem também um outro produto em spray que é bom passar depois da limpeza pra proteger a bike.

Fomos em busca do local para pegar mais uma balsa para fazer a travessia até Santo André. Era a primeira travessia do dia, essa foi bem bonita e rápida, demora uns 20 minutos ou menos. 

Chegando a Santo André e seguimos viagem, hoje o percurso seria todo pelo asfalto. Esse é um trecho que tem bastante rios desaguando na praia, isso inviabilizou nossa ida pela areia. O Thiga estudou bem o trecho pra montar nossa rota e achamos melhor seguir por estrada mesmo.

A estrada é bem tranquila, sem muito trânsito de veículos. Seguimos por ela até Belmonte, que é uma cidade super charmosa. Gente,  essa foi a cidade com mais bikes de todo caminho. Tinha tanta bicicleta, por todos os lados. Uma coisa linda de se ver!!! Passamos em frente a uma escola, linda, cuja frente era repleta de bicicletas. As crianças ficaram eufóricas com nossa passagem. Belmonte é uma cidade pequena, mas acho que vi mais lojinhas de bike que em todas as outras. Foi bem legal nossa passagem por aqui.





Em Belmonte teríamos que fazer mais uma travessia de barco. Fomos então em busca de alguém pra nos levar. Não existe um transporte regular. Você tem que pesquisar com as pessoas um barqueiro disponível pra fazer a travessia até Canavieiras. Não foi muito fácil encontrar, tivemos que negociar bastante. Precisaríamos de dois barcos, um só não caberia todo mundo com as bikes. Negociamos, negociamos e conseguimos um barco que nos cobrou R$ 100,00 pela travessia e um outro barqueiro ia fazer a travessia de outras pessoas e disse que poderia levar um(+ uma bike) com ele pagando R$ 30,00. 

Bom, digo que valeu a pena cada centavo pago nesta travessia. Gente que travessia mais linda! Passamos por mangues que são muito grandes, bem preservados, rios lindos. Fui no barco com alguns moradores de Canavieiras e digo que foi um presente essa travessia.







Meus companheiros de barco me ensinaram muitas coisas sobre a região, sobre o mangue, sobre a cultura e história local, nossa foi um banho de conhecimento e beleza em uma hora de travessia. Fiquei tão contente em ver que essa é uma rota de barcos. É o caminho mais usado pra fazer a travessia entre essas cidades. As pessoas usam mais o rio que a estrada. Muito bom saber tanto sobre o lugar em tão pouco tempo. Essas viagens de bicicleta nos permitem esse contato com a cultura local de uma maneira tão mais profunda. Acho que isso é uma das melhores coisas de se viajar de bicicleta, essa troca de experiências.

Contei aos companheiros de barco da nossa viagem e eles também ficaram admirados e curiosos. E eles, como disse, me contaram sobre o seu mundo, as suas realidades.Neste dia comi uma espécie de banana que nunca havia comido antes, uma banana rosa, uma delícia. O Sr. Wilson e o Sr. Urbano ainda foram super gentis e nos indicaram uma ótima pousada em Canavieiras.

Canavieiras é linda, arquitetura com fortes traços portugueses. Demos uma voltinha pela cidade enquanto procurávamos pela pousada Piramidal. Chegando lá dissemos que foi indicação dos nossos amigos e o pessoal fez um precinho mais que camarada. Deixamos as coisas e seguimos para a praia (menos o Thiga, que é o limpinho da viagem e foi tomar banho antes...rss).




Chegamos a praia no finzinho da tarde, gente que dia bom. Deu tudo tão certo e ainda ganhamos uma noite linda de presente. Banho de mar a noite! Não foi a primeira vez que fiz isso, mas ali foi muito especial. O mar estava calmo e bem raso. Dava pra deitar e ficar olhando a lua a as estrelas, numa calmaria que eu nunca tinha experimentado antes. Experimentei uma sensação de paz, tranquilidade e harmonia com o universo tão grande. De novo agradeci imensamente por poder estar ali, desfrutando isso tudo, em companhia de pessoas muito bacanas (há não canso de dizer, sou muito abençoada. Obrigada Paizão por tudo isso!!!!)


"Amarra o teu arado a uma estrela

E os tempos darão

Safras e safras de sonhos

Quilos e quilos de amor"



[Gilberto Gil -Amarra o teu arado a uma estrela]

Fim da noite ali na areia ainda brindamos ao dia, todos reunidos ainda fizemos um trato, de a partir daquele dia, por todos os anos de nossas vidas comemorar nosso aniversário pedalando. Se possível com a presença de todos. E o desafio vai ficar mais difícil a cada ano, pois temos que pedalar no mínimo a nossa idade. Imagina que lindo a gente com nossos 80, 90 anos, comemorando esse dia com um pedal? Bom, eu já ia cumprir o trato dali a alguns dias...meu aniversário estava chegando e tive a certeza de que a comemoração, só pelo fato de estar pedalando num lugar tão lindo, já seria muito especial.

Bom, depois de um dia longo fomos jantar num lugar muito legal o restaurante Santino Blue  que super recomendo. Os donos nos atenderam super bem, e a comida estava ótima. Todos devidamente comidos era hora de voltar e descansar para o dia seguinte que seria bem pesado!!!

Aqui terminou nossa jornada pela Costa do Descobrimento. Lugares lindos, pessoas super receptivas (acho que em toda Bahia é assim).  Valeu cada pedalada por este lindo caminho!!!


Resumo do dia:



Distância percorrida: 80 km 
Distância acumulada:148 km
Hospedagem em Canavieiras:pousada Piramidal Diária mais em conta até então R$ 30,00 (com café, nada mal).







Comentários

  1. Ai que delícia!!!

    Ada, você acha que se a gente for pelo asfalto a viagem toda, é muito ruim? A gente vai pelo asfalto e vai pra praia pra almoçar, nadar, mas sem pedalar pela areia...

    Não curto nadinha a relação areia e bicicleta. Além de danificar a bike, eu ainda sinto uma dificuldade tremenda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tati,

      desculpa a demora na resposta...
      Acho que não tem problema ir pela estrada não, mas você vai perder as partes mais lindas da viagem...
      Mas realmente essa relação bike x areia não é nada legal...
      O importante é fazer a viagem da forma mais segura e do jeito que vocês se divertem mais!!!
      Bjo e boas pedaladas por aí!!!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sujou...pintou cachorro na área...o que fazer???

Documentário: "Um ano entre Kouru e Ushuaia.

Aplicativos úteis em viagens de bicicleta!