Sobre os equipamentos para Uma pedalADA pela América!!!





Sobre os equipamentos para a viagem....

Muitas pessoas já me perguntaram sobre os meus equipamentos de viagem, o que eu levo, onde os comprei, marcas, etc.

Na maioria das vezes respondi um a um, e sempre pensava, vou escrever depois um post sobre isso. E sempre deixava pra depois...depois...enfim...

Agora resolvi não mais postergar e então vou descrever o que normalmente as pessoas me perguntam sobre o que tenho e sobre outras versões, mais econômicas e que muitos viageiros usam também.

Vamos lá:

  • Sobre a atriz principal – a BIKE:

A Branquinha, minha bike, é uma bicicleta normal de moutain bike. Ela já é minha companheira já faz algum tempo, uns 4 anos já. A única coisa que fiz antes de sair foi dar uma geral bem boa nela.

  • Componentes:
    Troquei todos os componentes por shimano Deore 30 velocidades. Tudo novinho antes de sair e até hoje não tive problemas mais sérios. Só mesmo a manutenção básica.
  • Freios:
    Uso freios a disco hidráulico e também, apesar de escutar de muitos cicloviajantes que não é bom, eu nunca tive problemas com isso. Sempre tenho um par de pastilhas de reserva e eu mesma faço a troca quando necessário. Na Bolívia e Peru, em cidades menores, pode ser difícil de encontrar as pastilhas, mas normalmente não tive problemas com isso. 
  • Suspensão:
    Eu também uso suspensão, acho bom, principalmente para os trechos de estrada de terra, mas é algo que não é essencial. Muitas bicicletas de viagem não usam.
  • Quadro:
    De alumínio. O tamanho do quadro tenho que confirmar, mas estou quase certa que é 17, porém é um quadro feminino. Quando comprei a bike fiz um bike-fit (um tipo de exame que faz as medidas da bike de acordo com o tamanho do ciclista), eu fiz com um profissional, mas se você busca no google pode encontrar como fazer em casa. Bom, o resultado desse bike-fit foi que a bike era ideal pro meu tamanho, fiz apenas pequenos ajustes. Eu recomendo o bike-fit porque realmente pode prevenir desconfortos e dores na viagem.
  • Pneus:
    Esse é um assunto interessante. Quando viajei pra Espanha, pra fazer o caminho de Santiago, conheci um garoto alemão que me deu dicas de equipamentos muito bons. Um deles foi o pneu. Eu até hoje, depois de quase 15.000 kms rodados, uso os mesmos pneus e ainda estão bons. E neste tempo tive apenas 3 furos, sendo que 2, tenho quase certeza que foram por colocar mal a camâra de ar.
    E então, que pneus tão bons são estes? Aí vai: Schwalbe Marathon Plus
    Até onde eu sei não vendem ainda no Brasil. É uma marca alemã. Eu comprei neste link aqui. Entregam super rápido, uns 15-20 dias. Mas tem que pagar impostos de importação. Sai sim um pouco caro aparentemente, mas se você coloca na ponta do lápis a tranquilidade e a durabilidade vale a pena.

  • Alforges:


Também uma pergunta corriqueira. Com esse mesmo amigo alemão aprendi que os alemães são muito fodas (perdão pela palavrinha) no quesito cicloviagem. Eles tem mesmo os melhores equipamentos. Os que eu uso foram recomendados por ele. São da marca Ortilieb. Até onde eu sei ainda não vendem no Brasil. Os que eu tenho são estes aqui: da frente  e de trás.

Bom, o que tenho a dizer, sim, estes alforges são bem carinhos, mas a verdade é que depois de um ano eu tenho eles como quase novo. Nunca tive nenhum problema com eles e melhor, são totalmente impermeáveis. Já passei um dia inteiro pedalando na chuva e a tranquilidade de nada se molhar. E eu não uso bolsinhas impermeáveis dentro do alforge, vai tudo solto aí dentro mesmo.

Esses alforges tem o inconveniente de serem assim uma bolsa grandona que você tem que acomodar tudo aí. Não tem compartimentos e pra pegar uma coisinha que tá la embaixo você tem que tirar tudo, mas depois de um tempo você acostuma e organiza melhor as coisas, deixando por cima o que usa com mais frequência.

Mas durante a vigem conheci muitas pessoas que fizeram seus alforges e confesso que alguns ficaram realmente muito bons.

Conheci muitos que fizeram uns, assim bem parecidos com os que eu tenho, de lona de caminhão. Pelo que vi é completamente possível fazer e imagino que na internet deve ter algo explicando. Também ficam impermeáveis se você usar uma boa cola pra selar as costuras.

Outra opção é fazer como estes abaixo, usando baldes. Ficam bonitos, são bem resistentes e tem a vantagem sair praticamente de graça, serem de material reciclados e ainda não chamarem muito a atenção. Acho que hoje sairia com estes se não tivesse comprado os Ortlieb. Na página do ciclomundo vocês tem uma demonstração (existem muitos outros modelos) de como fazer um.



A minha divisão das coisas na bike é assim:
  • Os alforges dianteiros vão com : em um levo basicamente comidas; no outro vai a cozinha, panelas, quite ferramenta, roupa impermeável ( pra ficar mais fácil de alcançar em caso de chuva) e cadeado da bike.
  • Os alforges traseiros tem roupas, sapatos, chinelo e necessaire em um; e equipamentos eletrônicos, livros e diários de viagem e material de artesanato em outro.
  • Na parte de cima da garupa traseira: barraca, saco de dormir, rede e colchão inflável.


  • Camping:



  • Barraca: item importantíssimo se você não quer ter dor de cabeça na viagem. Vai ser a sua casa, seu lugar de aconchego. Dicas: pense em uma que seja bem resistente a chuva e que seja autoportante. O que é isso? Eu também não sabia e fui descobrir quando comecei a minha pesquisa infinita por modelos de barraca. São barracas que você pode armar sem a necessidade de fincar as estaquinhas, ou seja, você pode colocá-las dentro de uma casa , numa superfície de cimento, etc.
A barraca que eu uso é uma da marca MSR, uma marca que eu recomendo bastante, tem
vários equipamentos para camping. Algumas coisas se encontram no Brasil, mas a verdade
é que são itens bem caros. A vantagem são produtos realmente muito bons, coisa pra uma
vida inteira.
Então o modelo da minha é MSR Hubba Hubba NX tent. Eu sou super feliz com minha
casinha porque é realmente muito boa. No inverno, bem rigoroso, ela deixa passar um
pouquinho de frio porque na verdade é uma 3 estações. Mas como tenho boa bolsa de
dormir e colçhão então não senti desconforto. E afinal, comprei 3 estações porque quero
usá-la muito no Brasil, que é bem quente na maioria dos lugares. Outro fator bem positivo
é que a minha, pra 2 pessoas (assim posso colocar os alforges dentro) é muito leve, pesa
1,5kg. Isso pra pedalar faz uma diferença danada né mesmo?
Bom, apesar de carinha acho que vale sim o investimento.

Há me perguntaram sobre a cor da barraca, porque algumas pessoas dizem que cores
como verde são mais fáceis de camuflar. Realmente faz sentido, mas como eu queria essa
marca específica e não podia comprar de outra cor, acabei comprando branca mesmo.

  • Colchão: eu sinto sim falta de um cholçhãozinho. Muita gente viaja só com o isolante termico, mas ter uma boa noite de sono vale muito a pena. Tenho esse colçhão aqui da marca Termarest: WOMEN'S NEOAIR® XLITE
    A vantagem é que é realmente muito leve, compacto e realmente isola bastante. A desvantagem é que tem que encher assim na vontade...60 sopros fortes...rss...sim eu já contei. Mas, vai, a gente se acostuma, treina os pulmões e de quebra tem uma noite gostosa.


  • Saco de dormir.
    Bom, eu saí do Brasil com um saco de dormir relativamente bom, marca Deuter - Dream Lite 500 , super compacto . Pro cicloturismo em regiões quentes a clima moderado acho que é o ideal.
    Mas, um dia, quase morro congelada na Argentina. Tava acampada e pegamos uma noite em que as temperaturas chegaram a -8 graus. E se não estou enganada este saco a temperatura extrema é de zero graus.
    Passei muito, mas muito frio, depois desse dia prometi pra mim que não acampava mais enquanto não comprasse um bom saco de dormir.
    Como sabia que ia passar por regiões de muiiiiitoooo frio, resolvi fazer um mega investimento. No chile comprei um muito bom e com ele passei tranquilamente por noites a -15 graus sem sentir nadinha de frio...rss.. com ele cruzei passos muito altos e dormi em lugares a quase 5000 mts de altitude. A vantagem é que além de bonzão pro frio ele é bem leve e compacto se comparado com outros de mesmo capacidade térmica.
    A marca é Sea to Summit e o modelo Treck II  . A temperatura conforto é -1 grau e temperatura extrema -25 graus. Ou seja, pra situações de realmente muito frio.
    Vale a pena o investimento se você vai passar por regiões assim de muito frio, se não diria que pode apostar em outros mais baratos e de boa qualidade.
  • Rede:
    Esse é um item digamos que supérfluo, mas confesso que assim que começou a fazer calor eu usei a bixinha bastante. As vezes nem colocava a barra e só usava a rede mesmo. Vale a pena porque essa que tenho é bem compacta e leve. A desvantagem é que a lerda aqui não comprou o mosquiteiro, então, normalmente onde faz calor tem mosquito...rss...mas é coisa que depois resolvo com calma.
    A marca é brasileira e se chama Kampa . Vale realmente a pena se você vai pra lugares quentes como regiões de praia por exemplo.

  • Cozinha - Fogareiro:
    Eu, depois de muito pesquisar também, optei por comprar uma cozinha da mesma marca da barraca, ou seja, MSR. A que eu tenho é super boa porque pode ser usada com quase todo tipo de combustível (gasolina, querosene, benzina branca e ainda gás). Isso facilita bastante pra uma viagem por muitos países onde pode ser que em um tenha mais dificuldade de encontrar algum tipo de combustível você tem mais opções.
    O modelo do que eu tenho é o WHISPERLITE™ UNIVERSAL.Realmente um produto muito bom, perfeito porque é leve e compacto e melhor pode ser usado em altas montanhas e a temperaturas bem frias. Eu usei ele também a quase 5000 metros de altitude e funcionou perfeito. Outra vez, digo que vale muito o investimento.

                                       
Com meu amigo Hannes, acampamos e preparamos comida a mais de 4.800 metros de altitude sobre o nível do mar. No Parque Nacional Chimborazo - Equador


Mas, se você tem poucos recursos, ou não quer investir tanto, encontrei muitos viajantes que usam a famosa espiriteira a álcool e funciona bem. Aqui encontramos um vídeo que ensina a fazer uma super legal com latinhas de cerveja. É um recurso bom e realmente muito barato.



  • Panelas e afins:
    Saí com um jogo de panelas de camping, bem pequenas, são suficientes pra cozinhar pra uma pessoa. Era uma panelinha de quase 1 litro e outra um pouco menor. Super práticas pelo tamanho.
    No caminho senti falta de uma frigideira e resolvi comprar. Deixei de lado a panelinha pequena e substitui pela frigideira. Hoje sou super feliz com a troca.
    A verdade é que numa viagem longa nem faz tanta diferença ser um pouco mais leve as panelas. Hoje penso que sairia com panelas normais, porém pequenas e de teflon. Acho que dão conta do recado.

De talheres tinha esse próprios de camping. Se quebraram no meio do caminho. Resultado:
troquei por esses comuns da Tramontina de cabinho de madeira e tudo mais. São
muito melhores pra comer e pra cortar coisas e cozinhar nem se fala. Há tenho também
uma colher de pau pra cozinhar, um filtro de pano pra coar café e uma garrafinha
térmica...tá pensando o quê...hahaha Isso sim é qualidade de
vida...rss


Bom, acho que pra começo de conversa tá bom né?  

Não quero que se assustem e pensem: "nossa mas é tudo tão caro, nunca vou poder 
viajar!". 

Nada disso, como eu disse, tem gente que viaja de todo jeito, com super bikes, super
equipos e outros que viajam com coisas muito simples mas que dão super conta do recado.
Os dois podem chegar aos mesmos destinos, o que manda é a força de vontade pra sair,
deixar a comodidade que estamos tão acostumados.

Posso dizer uma coisa: Não espere ter as condições perfeitas pra tentar fazer algo!!! Se 
você tem vontade comece. Sim vale a pena fazer um planejamento, mas sempre vai faltar
uma coisinha, então não deixe que essas coisinhas sejam empecilho para realizar seus
sonhos.

“Porque um dia é preciso parar de sonhar,

 Tirar os planos das gavetas e

 de algum modo começar.(...)” Amyr Klink

Vou tentar num próximo post escrever sobre outras coisas que também me perguntam, que
são de interesse de todos principalmente das mulheres que pensam em sair em uma
viagem como essa.



Vou tentar falar sonre:

  •     segurança na viagem
  •     hospedagem/camping
  •     roupas 
  •     gastos
  •     coisas de meninas (pedalar ou não naqueles dias, o que usar, etc...)
  •     preparação física
  •     roteiro
  •     e uma perguntinha que muita gente tem curiosidade, mas que poucos perguntam , ou poucos respondem...rss...sobre o planejamento financeiro da viagem!!!

Há caso tenham alguma outra pergunta que queiram fazer mandem aqui ou na página do
face.


É isso...até a próxima, bons ventos e bons pedais a todos!!!!



Tenha acesso a mais conteúdos da viagem aqui:

       Fotos , Vídeos, Face e Podcast 


Gostou da ideia, quer saber mais e principalmente fazer parte dessa ideia maluca? 

Vem aqui e veja como pode colaborar!!! :)




                       Quer saber das outras pedalADAs? Veja aqui no mapa !

Bons pedais pessoal e até as próximas!!!








Comentários

  1. Amei o post Ada! Descobri ontem que você tem podcast no Extremos, já baixei todos para ouvir. Eu não sei se vc faz o link desses podcast na sua página ou blog, mas se ainda não faz, sugiro que faça, assim dá mais visibilidade para o seu projeto. E também para nós ouvintes, se vc faz o link no seu blog, já vai para o download, assim as pessoas podem baixar e ouvir quando quiser sem precisar de internet.
    Estou aguardando o próximo texto!
    Abraços,

    Thaís

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sujou...pintou cachorro na área...o que fazer???

Documentário: "Um ano entre Kouru e Ushuaia.

Aplicativos úteis em viagens de bicicleta!